Sexta-feira, 4 de Novembro de 2005

Pergunto...

Pergunto-me constantemente porque não me olhas nos olhos, é algo que me deixa incomodado, e sei que percebes isso.

No outro dia falei contigo, nem sequer era sobre nós, e nunca, mas em nenhum momento, enfrentaste o meu olhar.

É tão estranho sentir que me ouves e não me vês, é como se nem estivesses ali ao pé de mim.

E se te pergunto, fazes de conta que nem havias percebido o facto, contemplas-me de relance, com um olhar que atravessa o meu corpo.

Não sei como chegar até ti!

Quando chegas de manhã os teus bons dias são rápidos e generosos, nem sequer te dignas piscar-me o olho, como em tempos me habituei.

Observo-te pelos vidros do gabinete, mando-te mails, passo à tua frente vezes sem conta, conto-te as minhas últimas compras, faço comentários de futebol, peço-te uma bolacha, uma “trinca” da tua maçã.

Sei que me vês a fazer tudo isto (ainda me lembro da tua visão periférica!),no entanto, raramente respondes aos meus mails, e se o fazes é através de um comentário seco e que bem podia ser para o padre da freguesia, nunca te apercebes se as roupas que visto são novas, no futebol o nosso clube já não é assunto que nos sirva de desculpa para namorar, as bolachas sou eu que as retiro do pacote que fica na última gaveta, enquanto me viras costas para buscar uma qualquer impressão que apenas nesse instante te lembras de pedir, a maçã posso bem comê-la sozinho, pois sei que já não voltas a mordê-la.

Hoje regressaste do almoço em cima da hora, vinhas a falar ao telemóvel com uma voz meiguinha que me fez morder o lábio de raiva. Desligaste o telefone a sorrir, com a voz sussurrada dos amantes, e suspiraste no fim.

Com quem falavas?

Qual seria o tema da conversa?

Porque sorriste?

Que ouviste que te fez suspirar?

Hoje ao fim da tarde vi-te tirar as moedas para o café, fui atrás de ti, até ao refeitório, queria estar contigo, roubar-te um beijo, cheirar-te, sentir o teu corpo apertado contra o meu, respirar-te, ver-te corar enquanto fugirias devagarinho para logo te aconchegares em mim.

A tua cara quando me viste entrar!!!

Não estavas mesmo à espera, pois não?

O facto de eu aparecer foi uma surpresa para ti e não percebo porquê.

Engoliste o café quente, que sei detestas tomar assim, e logo te encaminhaste para a porta, sem mesmo te fazeres a mim, nem com um olhar.

Feito menino, ainda te falei, fazendo-te ver que não havias comentado as botas novas, ao que respondeste que eram bonitas, e que iria ter sempre os pés quentes, despachando o assunto, e deixando-me a falar sozinho.

A porta fechou-se nas tuas costas.

Ou será que se fechou na minha cara?

Minutos depois ouvi-te a rir, bem disposta, apressei o passo e ainda vi de relance os olhos brilhantes, o rosto vibrante, o passo apressado como que a afastares-te de mim.

Bem sei, que é tua vontade não ficarmos juntos, mas no passado, nunca foi impedimento para as recaídas, sempre apaixonadas e viciantes.

Sabes que me viciei nos teus beijos?

Como foram as tuas palavras?

“... pensei bastante, e não vejo qualquer possibilidade de algum dia sermos felizes juntos, não posso continuar iludida, e sobretudo a alimentar-me de ilusões que só me fazem mal.... ambos temos as nossas vidas e como tal temos que respeitar quem nos acompanha...”

Se ao menos tivesses percebido como detestei o que escreveste!!! Cheguei a odiar-te naquele momento, não porque não te compreendesse, mas porque te senti fria e distante, de uma forma que eu nunca tinha experimentado.

Nem quando éramos apenas colegas de trabalho e eu te chateava e te fazia chorar com a minha rudeza e falta de sensibilidade!!!!

Acho que me habituei a ter-te sempre minha, fiel, leal e apaixonada.

Sinto-te tão longe de mim.

Já não me amas?

...












publicado por eu34 às 19:55
link do post | obrigada pela visita | favorito
22 comentários:
De Anónimo a 11 de Novembro de 2005 às 15:35
Ha alturas que temos que aceitar. E (tentar)seguir por outro caminho... Beijos*Doryanne
(http://doryanne.blogs.sapo.pt)
(mailto:Doryanne@sapo.pt)
De Anónimo a 10 de Novembro de 2005 às 10:50
é altura de partires. O tempo muda o amor, as pessoas, os pensamento. A vida é mesmo assim!imar
(http://www.falabaixinho.blogspot.com)
(mailto:isarara@sapo.pt)
De Anónimo a 9 de Novembro de 2005 às 21:25
Custa tanto interiorizar um desamor... Está belíssimo, como nos habituaste. Um beijo enorme.Carla
(http://acarosnoarmario.blogs.sapo.pt)
(mailto:carla.pedro@gmail.com)
De Anónimo a 9 de Novembro de 2005 às 13:53
Todos os comentários que aqui acontecem são respeitosamente lidos e tidos em consideração. Infelizmente nem todos respeitam a liberdade que usufruem de poderem comentar em liberdade e com a elegância que o acto público merece e que eu respeito (sem apagar). Fiquem bem, eu33
(http://enigmasolitarios.blogs.sapo.pt)
(mailto:biquinha@sapo.pt)
De Anónimo a 9 de Novembro de 2005 às 13:23
Por vezes mesmo sem darmos por isso fazemos mal a alguém que chega a um ponto em que a distancia é tão grande que já não se consegue recuperar...Há memórias tão boas...Como a maioria das pessoas também as tenho mas tento sempre não viver agarrada ao passado...

Beijokinhas,
Fica bembarmaid
(http://www.barmaid.blogs.sapo.pt)
(mailto:ffffff@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Novembro de 2005 às 23:50
Oh Rabeta... ainda não percebeste que sou eu agora que a ando a comer? Até porque a tua mulher se não é frigida, é fria e esta gaja... escalda! Bem percebo, mas... azar o teu!Adrualdo
(http://Adrualdo)
(mailto:adrualdo@netcabo.pt)
De Anónimo a 7 de Novembro de 2005 às 22:01
Olhar alguém nos olhos faz transmitir confiança e serenidade. Chegar até alguém que se abstraia da nossa presença é complicado. Algo está encalhado, que impede a fusão de sentimentos. Alguma coisa que falta acertar ou limar.
O amor não se compra, não se implora. O amor acontece quando não há condições a confundi-lo. O amor não se fabrica. Ele é, simplesmente!
Amaral
(http://amaralnascimento.blogspot.com)
(mailto:amaralnascimento@hotmail.com)
De Anónimo a 6 de Novembro de 2005 às 01:10
Neste outro género continuas intensa..
(vejo que passaste por outra alice) :)Daniel
(http://seedsof.blogspot.com)
(mailto:seedsof@hotmail.com)
De Anónimo a 5 de Novembro de 2005 às 20:37
Um texto que retrata um estar próximo e ao mesmo tempo um estar tão longe. Beijinhos.Maria do Céu Costa
(http://www.maisquepalavras.blogs.sapo.pt)
(mailto:mariaceucosta@sapo.pt)
De Anónimo a 5 de Novembro de 2005 às 18:12
Querida Eu33
Adorei ver a tua leitura da psicologia masculina na situação apresentada. Estás por "dentro"... e escreves muito bem.
Um beijo
DanielDaniel Aladiah
(http://aladiah.blogspot.com)
(mailto:aladiah2005@hotmail.com)

Comentar post

.estou por aí... entre a realidade e os sonhos....

.pesquisar

 

.Dezembro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Até lá...

. Análise

. Pergunto...

. Alice perdeu o amor.

. Quarto sem luz ...

. Inocência perdida.

. Espaço vazio.

. Resistir (sem data de reg...

. Li algures...

. A olhar a minha rua.

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.subscrever feeds