Terça-feira, 20 de Setembro de 2005

Resistir (sem data de regresso).



No silêncio das palavras escritas existem segredos, encontros e desencontros.

Acredito, que, em muito do que escrevemos existem gritos de socorro, desabafos, declarações de amor, descrições de momentos felizes.

Sei que poucas vezes conseguimos fazer passar a nossa verdadeira história, que não tem de ser necessariamente a nossa, mas aquela que queremos contar.

Nessas tentativas, tantas vezes infrutíferas, temos a felicidade de encontrar outras palavras, outros momentos e outras pessoas, que não sendo iguais a nós, souberam em determinado momento tocar-nos no nosso mais intimo “eu”.

E no desconhecimento virtual deste novo mundo partimos à descoberta dos outros, das suas palavras, das histórias que contam.

Histórias que nos encantam, que nos fazem chorar, outras em que rimos, outras ainda que nos fazem pensar, e existem as histórias de amor. Não as que lemos, ou até que escrevemos, mas as que criamos e vivemos enquanto personagens, mais ou menos reais, deste mundo feito de e nas histórias.

As emoções que vivemos nesta troca de palavras, frases, pensamentos fazem-nos sentir mais a vida, muitas vezes como refúgio de outra que não nos deixa ser quem somos, ou até quem quereríamos ser.

Já me apaixonei por textos, pelos seus autores, homens e mulheres sábios, constantemente à procura de vidas novas (as deles, e as que criam para nós) e que, soberbamente, assumimos como nossas, deixando-as entrar na nossa mente, corpo e espírito, assumindo assim um novo mundo, novas histórias, que já não são só deles, e muitos menos apenas nossas.

Nesta partilha ocorrem momentos inesquecíveis, de ligações extremas e inexplicáveis, seja pela leitura que outros fazem de nós e dos nossos escritos, seja pelo comentário que fica e que nos “obriga” a responder, numa tarefa quase compulsiva e sempre muito pessoal.

Enquanto escrevo estas palavras lembro-me daquele homem, que provavelmente lerá estas palavras, que num determinado dia entrou por mim adentro e me deixou abananada pelo muito que leu de mim, e recordo, sempre, o contacto directo, ainda que virtual, que estabelecemos e que nos fez conhecer um pouco mais de cada um.

Foram momentos de partilha intensa, numa descoberta quase infantil de temas, sonhos e (des)gostos comuns, a uma velocidade tão grande como o sonho de um novo amor. Depois foi o pousar os pés na terra e perceber que o nosso mundo, o dos adultos, é muito pouco sonhador, e nada solidário com homens e mulheres frustrados, encaminhados, e sempre responsáveis.

E nesse regresso à terra perdemos um pouco de nós, da ingenuidade e do sonho que ainda sobrevive no nosso peito e na nossa alma. E o “Adeus” sempre difícil e dolorido torna-se premente, senão em palavras (porque a coragem não é tanta assim), em atitudes desafiantes de um silêncio ensurdecedor.

Será que vale mesmo a pena lutar por um novo prazer encontrado na escrita, que mais do que um desafio é já uma necessidade?

Não tenho resposta.

Nem sei se algum dia terei, espero, no entanto, não desistir sem lutar.






publicado por eu34 às 13:48
link do post | obrigada pela visita | favorito
24 comentários:
De Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 15:09
Apesar do desfecho incerto, parece-me que é essencial lutar para viver. Cansa mas não há outro meio de se manter à tona.
Obrigada pela partilha:)!Beijinhos
elisa
(http://silenciofala.blogspot.com)
(mailto:elisaantunes@iol.pt)
De Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 09:49
Eu apaixono-me eternamente pelas palavras. O grande amor da minha vida foi assim que surgiu: começámos a 'falar' pelo computador, encantados com as palavras um do outro. É fascinante apaixonarmo-nos primeiro pelo coração de alguém. Depois, como tudo na vida, o que se está a criar com tantos pulos no peito, ou resiste ou fica pelo caminho... Seja como for, nunca devemos desistir de sonhar. Um beijo grande para ti.C.
(http://acarosnoarmario.blogs.sapo.pt)
(mailto:carla.pedro@gmail.com)
De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 22:46
Entendi... e senti.É este o fascínio do virtual!!! Um abraaaaço Paula
(http://www.paulaluamar.blogs.sapo.pt)
(mailto:golfinhaluar@hotmail.com)
De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 20:17
Ohhh minha "Escorpiona" antão a nina é uma Escorpiona e não me dizia nada ;-) Quando +e o dia de soprar as velinhas, tá proximo :-) Vá diz lá pra mim. Agora falando não menos a sério, pois é somos de um signo F... dido, e porquê? Porque ora temos uma força valiosissíma ou então batemos bem lá no fundo, bem no fundinho... mais que qualquer outro signo... mas existe uma coisa que nunca nos podemos esquecer linda, é que como mulhres que somos, bem antes de pensarmos em espetar o nosso ferrão em nós próprias, arranjamos sempre forças para levantar a cabeça e aí sim de cabeça levantada ninguém nos segura... Força kida, porque o mundo precisa de nós com a cabeça bem empinada lolol jinhos ternosPerfect Woman
(http://perfectwoman.blogs.sapo.pt/)
(mailto:perfect_woman63@sapo.pt)
De Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 09:59
Saltando blogs vim aqui parar. O que li mostrou-me que cada pessoa é um mundo especial, com histórias que se cruzam, mas que todos procuramos o mesmo: acabar com a solidão dentro de nós.
BeijosJC
(http://www.amordocinho.blogspot.com)
(mailto:amor-docinho@hotmail.com)
De Anónimo a 26 de Setembro de 2005 às 22:03
"Acredito, que, em muito do que escrevemos existem gritos de socorro, desabafos, declarações de amor, descrições de momentos felizes..."

"Será que vale mesmo a pena lutar por um novo prazer encontrado na escrita, que mais do que um desafio é já uma necessidade?"

"Não tenho resposta."

"Nem sei se algum dia terei, espero, no entanto, não desistir sem lutar"


...E o que foram as tuas palavras? Apenas perguntas?
Eu acredito nos opostos...quem escreve de coração, de alma aberta...descreve-se a si; quem não o faz, essa mascara implica brincar com a mais bela sensação e conceito do Mundo...não é a beleza, não é perfeição, não é inteligência...é deturpar o veiculo que nos leva a alma...as palavras de Amor.
orfeu
(http://www.ruas-sem-nome.blogspot.com)
(mailto:mabaorfeu@portugalmail.pt)
De Anónimo a 26 de Setembro de 2005 às 21:48
Olá!A vida é uma caminhada, por vezes temos que ser fortes para suportar tanta coisa que mais apetece desistir de tudo e fugir. Mas nem tudo é mau e há que apreciar os bons momentos porque eles virão de certeza. Tens um poder nas palavras simplesmente fantastico, consegues transmitir tanta coisa e de uma maneira tão subtil. Já sou um fã teu.. Beijos Nuno Nuno
(http://www.sapo.pt)
(mailto:bluevampire@netcabo.pt)
De Anónimo a 26 de Setembro de 2005 às 14:30
Uma boa semana para ti. BeijinhosNILSON
(http://nimbypolis.blogspot.com)
(mailto:nimby33@hotmail.com)
De Anónimo a 24 de Setembro de 2005 às 15:20
somos seres humanos, com necessidade de partilha de sentimentos... a escrita é só uma das formas dessa partilha louca de que tanto nós precisamos. jokinhasRapariga Perdida
(http://raparigaperdida.blogs.sapo.pt)
(mailto:aadffdf@afs.pt)
De Anónimo a 23 de Setembro de 2005 às 14:40
;-) A VIDA É UMA BOLA DE SABÃO... lembras dessa canção??? é isso mm. Jihhos Perfect Woman
(http://perfectwoman.blogs.sapo.pt/)
(mailto:perfect_woman63@sapo.pt)

Comentar post

.estou por aí... entre a realidade e os sonhos....

.pesquisar

 

.Dezembro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Até lá...

. Análise

. Pergunto...

. Alice perdeu o amor.

. Quarto sem luz ...

. Inocência perdida.

. Espaço vazio.

. Resistir (sem data de reg...

. Li algures...

. A olhar a minha rua.

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.subscrever feeds