Sexta-feira, 27 de Maio de 2005

Quem és? Quem sou? Não quero saber!.


Sempre que te encontro surge a dúvida.

Quem és e porque és assim?

E se alguma curiosidade me suscitaste no início sobre a pessoa que és, como serias, ou como te comportarias, logo desapareceu para dar lugar a uma consciência passiva e precisa de que não era de facto importante conhecer-te.

De cada vez que te visito, olho para ti e procuro de imediato identificar o teu humor, o teu cheiro de hoje, e o olhar que me dispensas.

Admito que várias vezes não consigo atingir esse objectivo, aparentemente, tão fácil.

Será porque não me preparo suficientemente para ti?

Ou apenas porque não quero mesmo saber quem és?

Nas vezes em que desces até mim, deixo-te sempre a porta aberta, entras, olhas e deixas (quase) sempre o teu humor, o teu cheiro e o teu olhar.

Quando percebo que estás ao pé de mim fecho os olhos, respiro fundo e aguardo ansiosa o que me deixas.

Não raras vezes sinto-te demasiado forte para o que compreendo de ti.

Ao invés de tentar perceber-te melhor, busco, dentro do que deixaste, a tua compreensão de mim.

Ficarias espantado com o pouco que conheço de mim.

E vai daí talvez não.

Sem me conheceres, acredito que sabes tudo de mim.

Não a realidade do dia que começa e acaba, mas a fantasia de quem imaginas que sou.

E neste momento sou presunçosa, e deixa-me sê-lo por uma vez, eu acredito que tentas imaginar-me, saber como sou, o que faço e porque o faço.

Assumo a minha vaidade de acreditar que sim. Que toquei algo em ti. Que em ti cresce a curiosidade de saber de mim.

Não todos os dias, porque sei (não o sei de facto, apenas pressinto) que tens o mundo para viver e conhecer, mas naqueles momentos em que me visitas, e não sabes quem sou.

Quando respondes às minhas dúvidas ou comentas o que te apresento, sem o saberes, és tão importante como o ar que respiro.

No outro dia parei e pensei que estava a atribuir-te uma importância demasiada, e que nada do que poderias dizer era tão importante como o que eu libertava de mim. Logo a seguir preferi deixar nas mãos de quem sabe mais do que eu o desaparecer, ou não, dessa dúvida.

Hoje quando olhei para ti e aceitei as tuas palavras contadas, não percebi tudo, aliás, acho até que não entendi nada, nem gostei muito da forma como o fizeste, mas adorei o que ficou por dizer, e que amanhã, ou depois, ou depois me vais dar.

Hoje apetece-me acreditar que te vou conhecer, e que vais conhecer-me, e que vou gostar de ti, e que vais gostar de mim, e que continuarei a admirar as palavras que me dás, e que tu vais continuar a aceitar as minhas palavras e quem sabe , também, talvez as admires.

Sobretudo hoje queria poder estar com a pessoa que és para mim, não o homem que és, mas quem representas para mim.

Liberdade, conhecimento, experiência e tantos segredos.

Os teus e os meus.

Os teus que não quero conhecer.

Os meus que às vezes te conto sem tu saberes.

O homem que não conheço, não vou conhecer, mas que imagino que seja assim.
publicado por eu34 às 20:28
link do post | obrigada pela visita | favorito
|
10 comentários:
De Anónimo a 31 de Maio de 2005 às 01:35
As vezes nem tdo o que parece é...triste história a tua, um beijinhoisabel
(http://gostodetiporquegosto.blogs.sapo.pt)
(mailto:isabellucio@sapo.pt)
De Anónimo a 31 de Maio de 2005 às 01:32
Ora viva Cara Eu33... Penso que todos nós idealizamos quem queremos conhecer mas não conhecemos, elevando as suas virtudes e nigligenciando os seus erros. Como se essa pessoa tivesse uma crédito infinito em oportunidades e uma hipótese derradeira de segundas chances. Quando elevamos alguém ao estado de graça que imaginamos, nem nos damos conta do nosso exagero ou sequer admitimos que cometemos esse erro. Porém podemos estar certos quando tudo o que importa é o que sentimos... e que só esse alguém nos faz sentir. Pode ser fácil nos predispormos a dar mais do que receber, mas torna-se insustentável quando fazemos disso uma forma de viver. Ás vezes devemos ter em conta a falta de percepção de quem queremos que se aperceba, pois este pode interpretar mas não querer ser mal interpretado. Penso que a melhor forma de lidar com alguém que achamos inantigível ou de certa forma austero, é confrontarmos essa pessoa com as características da nossa personalidade. Não devemos cair no erro de aparentarmos ser, quem de facto não somos. Além disso, de que vale a pena fazer sinais de fumo, se nos dias de hoje comunicamos directamente, podendo assim evitar equívocos... Por vezes estabelecemos distâncias e asseguramos fronteiras, mas inexplicavelmente questionamos porque raio ninguém aparece do nosso lado. Cara Eu33, mesmo sabendo que a sua escrita tem um mote enigmático não me escusei a fazer um comentário directo, mesmo correndo o risco de ter sido um acto solitário. Um abraço... SHAKERMAKERshakermaker.blogs.sapo.pt
(http://shakermaker.blogs.sapo.pt)
(mailto:honkytonkwomen@sapo.pt)
De Anónimo a 31 de Maio de 2005 às 01:29
Fantasiar e poetisar alguém...também eu o faço...secalhar em demasia, porque as desilusões não param mesmo.
beijo enorme eu33* *Vampiria
(http://www.childrenofglamour.blogs.sapo.pt)
(mailto:pppp@hotmail.com)
De Anónimo a 30 de Maio de 2005 às 14:45
Nunca se conhece ninguém... o mais que nos é permitido é aproximarmo-nos um pouco mais... beijogaranho
(http://cogitando.blogs.sapo.pt)
(mailto:garanho@sapo.pt)
De Anónimo a 30 de Maio de 2005 às 12:02
Conhecer-nos a nós próprios e aos outros é uma grande desafio. Porém um desafio bastante instigante! Obrigada pela visita ao meu blog e pelos parabéns que lá me deixaste!
um beijinho,lualil
(http://www.traduzir-se.blogspot.com)
(mailto:lualil@hotmail.com)
De Anónimo a 30 de Maio de 2005 às 11:45
Temos que nos conhecer primeiro a nós próprios. Mas é tão bom quando conhecemos quem está connosco e essa pessoa nos conhece. É raro, mas digo-te que pode acontecer. Mil beijinhos e que possas ter uma optima semana!sussurros da lua
(http://blogfullmoon.blogs.sapo.pt/)
(mailto:sdrcarvalho@hotmail.com)
De Anónimo a 29 de Maio de 2005 às 12:33
às vezes nem a nós próprios nos conhecemos...quanto mais os outros? outras pensamentos que conhecemos e descobrimos que assim não +e. temos de ir sempre aprendendo mais e mais. muito bonito. beijinhosPensamentos em Branco
(http://pensamentosembranco.blogs.sapo.pt)
(mailto:anakatcc@hotmail.com)
De Anónimo a 29 de Maio de 2005 às 11:10
Hum! Uma portista à maneira, desportivista. Valeu, tiro-te o chapéu. Quanto ao post, Hum! Mistério, e o mistério tem um sabor divinal, que embriaga. Vou continuar a seguir esta história,ou seja vou..............mas: volto e entretanto deixo beijócassssssssssssssssss e obrigada pela visit.Plantacarnivora
(http://Aseivadosolidago@sapo.pt)
(mailto:Seivadosolidago@sapo.pt)
De Anónimo a 28 de Maio de 2005 às 19:12
Por vezes mais importante que o conhecer é o sentir, e isso sem dúvida tu sentes!
Gostava que fizesses parte do movimento do SIM.
Vem visitar-me...é tão fácil dizer SIMSandra Nunes
(http:\\contagemdecrescente.blogs.sapo.pt)
(mailto:sandrablog@sapo.pt)
De Anónimo a 28 de Maio de 2005 às 19:01
Querida Eu33
Será que ele sabe? Claro que queres saber mais, talvez não tudo, mas algo mais, nomeadamente quem é e como é ao vivo, não?
Um beijo
DanielDaniel Aladiah
(http://aladiah.blogspot.com)
(mailto:aladiah2005@hotmail.com)

Comentar post

.estou por aí... entre a realidade e os sonhos....

.pesquisar

 

.Dezembro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Até lá...

. Análise

. Pergunto...

. Alice perdeu o amor.

. Quarto sem luz ...

. Inocência perdida.

. Espaço vazio.

. Resistir (sem data de reg...

. Li algures...

. A olhar a minha rua.

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.subscrever feeds