Quarta-feira, 16 de Novembro de 2005

Análise

Olhei para a manhã lá fora de um azul forte e sorridente e esperei que alguém se lembrasse. Mas não, ninguém se lembrou.

E eu fingi que não me importei. Fi-lo desde a hora que me levantei até ao momento em que pousei a cabeça na almofada, muitas horas depois.

Enquanto escrevo, sinto que verdadeiramente ninguém sabe quem sou.

Ninguém sabe o que me faz feliz, o que me magoa, o que me faz sorrir, e o que me faz chorar.

Não creio que a culpa seja deles, dos outros, embora me console acreditar que sim.

Sempre fui forte, capaz, desenrascada, presente e capaz de “ir ao fim do mundo” para resolver qualquer situação, houve até um dia que alguém me chamou “bombeira de serviço” e se naquele dia o tomei como elogio hoje encaro-o tão simplesmente como a forma como todos me vêem.

Não sei porque sou assim, ou porque me construí assim?

Porque me estou a enganar?

Claro que sei porque sou assim.

Lá em casa nascemos duas ao mesmo tempo, eu com o nome mais pequenito sempre era chamada em primeiro lugar, habituaram-me e habituaram-se assim. A minha companheira de parto, de alguma forma, tornou-se menos visível e menos “capaz” e desde então fui assumindo o controlo e a responsabilidade.

Habituei-me também a protegê-la e a querer viver tudo primeiro para experimentar, vivenciar e passar-lhe a palavra, evitando, assim, que fosse ela a cair primeiro e talvez a magoar-se.

Namorei, casei, fui mãe, abrindo caminho e deixando-o já experimentado.

De alguma forma assumi também um protagonismo que me fazia sentir bem e assegurava que poderiam sempre contar comigo.

Esqueci-me de viver para mim.

Não aprendi a crescer sem a presença dos outros, em mim, para eles e com eles.

Eu que abomino comparações fui deixando que o fizessem comigo, mantendo sempre o equilíbrio que nos satisfazia a todos.

Um dia percebi que também precisava de ser a menos visível, a menos capaz, queria alguém que tomasse conta de mim…

Descobri que ninguém estava preparado para aquela mulher ingénua, crédula, insegura, incapaz de tomar a SUA decisão, arrumar a SUA vida, assumir o controlo da SUA vida, sobretudo descobri que eu não era a pessoa que acreditava ser e estava a anos-luz desse ideal romântico e tão perfeito.

Num processo longo e doloroso percebi que não podia frustrá-los, deixá-los a mercê de simples caprichos, afinal eu já era crescida, tinha uma infinidade de responsabilidades, já era mãe, uma profissão à qual dava bem a volta!!!

Perante um cenário de quase destruição, percebi, ou pretendo saber, qual o caminho a tomar, e de novo me apresento forte, decidida, sem dúvidas e certa do meu caminho.

Sinto-me triste, sim, muitas vezes, de uma forma que quase me faz ficar doente fisicamente, mas não quero que ninguém perceba, ou que alguém assome o seu olhar perante o meu e descubra quem eu realmente sou.

E porquê?

Talvez o medo de que também eles descubram que eu não sou quem eles pensam e conhecem, ou pior, a certeza de que não me amam por quem sou mesmo, mas sim a pessoa que sempre conheceram.

Nessa ânsia de me esconder deixo que momentos importantes escapem por entre os dias que correm. Digo a mim mesma que “não faz mal”, “eu nem gosto de fazer isso…”, “não se preocupem, afinal é só mais um ano…”, ou “já estou “cota”, isso é para os mais novos, para as crianças…”. Quando, na realidade, e sendo o mais verdadeira possível, o que quero é que insistam, se lembrem, me forcem a fazer algo, que tomem um bocadinho conta de mim.

Estranho até este desejo vindo de mim porque não gosto de surpresas, no entanto sinto o desejo de ser surpreendida.

Acho que não é a mesma coisa. Não é, pois não?

Hoje, de novo me habituo ao dia a dia, sem que me doa tanto o facto de que “…afinal até gostava que …de ter feito…e ninguém mo fez…”, percebo que a culpa é mesmo minha, afinal se assumo essa forma de vida, porque raio tenho que me queixar!!!!.

Não posso perder a pessoa que sou, não saberia viver sem esse meu lado, no entanto o caminho para o outro “eu” mais pequenino, menos forte e corajoso, mais permeável e dependente é algo assustador, não só pelo caminho que leva, mas também, e sobretudo pelo destino que possa ter.

E aqui está outro enorme contra senso na minha vida, amo a expressão “não sei para onde vou, mas estou mortinha por lá chegar…” e não vivo em conformidade, pior, assusta-me demais o “não saber”.

Já passaram alguns dias desde aquela manhã lá fora de um azul forte e sorridente…
publicado por eu34 às 17:59
link do post | obrigada pela visita | favorito
|
21 comentários:
De Anónimo a 1 de Dezembro de 2005 às 21:21
Estou sem fôlego de te ler, não vou dizer que estou surpreendido… mas sim impressionado. É difícil analisar a vida de uma forma verdadeira de um Nós próprios no Mundo, e de um Eu sozinho perante todos.
Temos que ser fortes, perfeitos, suporte de outros, detentores de todas as respostas, verdades e soluções. Mas e nós não temos direito de errar ?, baixar os olhos, chorar…e ter tudo o que temos direito de pensar e viver. O que fazer? Pensar mais em Nós ou nos outros, não sei…pergunto o mesmo por vezes, mas penso que temos que como tudo na vida procurar um equilíbrio, e ensinar esse equilibro a quem nos Ama e provar que um Eu e um Nós é possível em todas as ocasiões….Deveremos Amar, ser Amados e coexistir ambos num Eu e num Tu perfazendo um todo sem qualquer problema de errar. Difícil de fazer, entender, fácil de falar, escrever…mas uma opinião…que procuro para assim continuar a viver.
Orfeu
(http://www.ruas-sem-nome.blogspot.com)
(mailto:mabaorfeu@portugalmail.pt)
De Anónimo a 28 de Novembro de 2005 às 16:31
Por vezes é uma questão de comodismo...alfa69
(http://daquidali.blogs.sapo.pt)
(mailto:aalmas@marbosserra.pt)
De Anónimo a 28 de Novembro de 2005 às 14:15
Gosto de te vir ler,penso que é a primeira vez que te comento, por norma leio-te num silêncio absoluto, porque na maior parte das vezes parece que me leio a mim e para não (me) perturbar saio no mesmo silêncio com que entrei...Talvez ja tenha passado uns dias desde aquela manhã azul forte em que deixaste de ser Eu33 e passaste a Eu34 :).Um beijo da LInaLina (Mar Revolto)
(http://www.aromasdomar.blogspot.com)
(mailto:lina.cf@gmail.com)
De Anónimo a 27 de Novembro de 2005 às 15:26
Olha, estou simplesmente...estupfacta!!
Impressiona me o facto de teres todo esse medo de não ser amada ou que se esqueçam de ti!!
Tu não te devias preocupar com quem se esquece, mas sim com quem se lembra e te apoia quando mais precisas...essas sim, são as pessoas que te amam de verdade e talvez tu não queiras ver isso pois estás ocupada demais a pensar em quem não merece tal coisa!!
Os teus textos estão fantásticos...do melhor que existe sem dúvida...continua assim, mas dá "o arco-irís" aos mesmos...não precisas de dizer as tuas "pessoas mais proximas" que estas triste, se elas sao assim tao proximas e te conhecem bem, vão tentar perceber o que se passa contigo!!
Qualquer coisa, conta comigo...eu estou a dar um ar de durona, mas a verdade é que passo o meu dia à dia pelo mesmo...mas é mais facil aconselharmos a "outra pessoa" do que a nós proprios!!
Felicidades***Patricia
</a>
(mailto:kromada_@hotmail.com)
De Anónimo a 27 de Novembro de 2005 às 15:25
Olha, estou simplesmente...estupfacta!!
Impressiona me o facto de teres todo esse medo de não ser amada ou que se esqueçam de ti!!
Tu não te devias preocupar com quem se esquece, mas sim com quem se lembra e te apoia quando mais precisas...essas sim, são as pessoas que te amam de verdade e talvez tu não queiras ver isso pois estás ocupada demais a pensar em quem não merece tal coisa!!
Os teus textos estão fantásticos...do melhor que existe sem dúvida...continua assim, mas dá "o arco-irís" aos mesmos...não precisas de dizer as tuas "pessoas mais proximas" que estas triste, se elas sao assim tao proximas e te conhecem bem, vão tentar perceber o que se passa contigo!!
Qualquer coisa, conta comigo...eu estou a dar um ar de durona, mas a verdade é que passo o meu dia à dia pelo mesmo...mas é mais facil aconselharmos a "outra pessoa" do que a nós proprios!!
Felicidades***Patricia
</a>
(mailto:kromada_@hotmail.com)
De Anónimo a 26 de Novembro de 2005 às 02:54
Por onde andas, amiga? Olha que eu e a nossa amiga Woman estamos de olho em ti. Bom fim de semana e sê feliz!mocho
(http://barrocodomocho.blogs.sapo.pt)
(mailto:mvilamoura@sapo.pt)
De Anónimo a 24 de Novembro de 2005 às 15:13
Saberás quem sou... outro lado de mim...
Beijo.Anakin
(http://anakin-sky-walker.blogspot.com)
(mailto:anakin-sky-walker@hotmail.com)
De Anónimo a 24 de Novembro de 2005 às 04:28
Querida Eu, por vezes habituamo-nos de tal forma a sermos a pessoa que está sempre ali para todos que quando nos apetece que tomem um pouco conta de nós ficamos com receio de sermos menos amadas por isso, menos amadas como pessoas, como amigas, como colegas. No dia do meu aniversário, sinto sempre que 'quero lá saber, espero não ter que atender muitos telefonemas', mas o certo é que, no dia seguinte, revejo mentalmente quem se esqueceu... e finjo que não me importo, mas importo-me. Somos complicados por natureza? Não sei, acho que é apenas o medo de não nos amarem pelo que somos e como somos. Deixo-te um beijo enorme, cheio de azuis bonitos.Carla
(http://acarosnoarmario.sapo.pt)
(mailto:carla.pedro@gmail.com)
De Anónimo a 22 de Novembro de 2005 às 21:18
Minha nininha, eu já sabia que eras uma nina ás direitas, e super sensível aos assuntos importantes da vida, sempre consegui ver isso pelos teus escritos... Mas cada vez te admiro mais, isto porque agora para além dos teus escritos aqui no teu blogue, tens deixado transparecer isso também nos teus comentários.. Adorei... jinhos ternosPerfect Woman
(http://perfectwoman.blogs.sapo.pt/)
(mailto:perfect_woman63@sapo.pt)
De Anónimo a 22 de Novembro de 2005 às 21:09
A história que contaste do "Porto" é tão triste. Detesto quando as histórias dos animais acabam assim. Se fossem realmente histórias acabavam bem, não era? Mas a realidade, por vezes, é bem diferente. Bicadinha e passa bem (como é que te estás a sentir?)Mocho
(http://barrocodomocho.blogs.sapo.pt)
(mailto:mvilamoura@sapo.pt)

Comentar post

.estou por aí... entre a realidade e os sonhos....

.pesquisar

 

.Dezembro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Até lá...

. Análise

. Pergunto...

. Alice perdeu o amor.

. Quarto sem luz ...

. Inocência perdida.

. Espaço vazio.

. Resistir (sem data de reg...

. Li algures...

. A olhar a minha rua.

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.subscrever feeds