Segunda-feira, 1 de Agosto de 2005

Vai Linda ... (eu espero).

agaDSC_3307sep2.jpg
(foto: Martin Klepcki)

Um dia quando eu for grande quero deitar a cabeça no sossego alvo da minha almofada, fechar os olhos, e sentir que está tudo bem.

Nesse dia vou relembrar o cheiro do teu pescoço quente, das tuas mãos suaves, da tua face doce, do toque da tua pele morena e tão suave que faz lembrar a seda.

Depois vou ouvir as tuas palavras, sentir o tom da tua voz e recordar com saudade a forma como me chamavas.

Vou recordar a primeira vez que te vi e amei.

Vou sentir a primeira vez que te peguei.

Vou saudar o primeiro choro que te ouvi.

Vou chorar pela dor que senti quando a tua boca tocou o meu peito.

Vou sorrir pelos sorrisos que me deste.

Vou lembrar as gargalhadas que partilhámos.

Vou…

E depois abro os olhos, e na minha frente estarás tu!

Mulher feita, filha muito amada que com olhos tristes me afagarás o rosto, sem perceberes que a saudade que me aperta o peito vem desde aquele dia em que nasceste, rasgando as minhas carnes, num choro perfeito de vida.

Pois, ali naquele instante, nasceste única, forte e decidida, não me restando sequer a veleidade egoísta e maternal de algum te achar minha.

E então, nesse leito do descanso final recordarei também outros momentos de saudade, como aquele que vivo hoje, véspera da tua partida, como escuteira de uma vida pequenina.

E como fico feliz de saber deixar-te ir, mais feliz serei sempre que te vir voltar, pois ainda faltam muitos segundos, minutos, horas, dias, semanas, meses e anos que me permitirão usufruir da tua existência e confortar-me com o teu olhar meigo e doce.


Para ti, minha filha, apenas desejo que vivas o que quer que o sonho te faça procurar, e na certeza de que ao teu lado, acompanharei o teu caminho.

E no dia em que deixares de me ver, saberás que olharei sempre por ti.

...

“- Amo-te muito!”

“- Também te amo Mãe!.”

“- Eu amo-te mais ainda, Filha!.”

“ – Pronto, Mãe tá bem!!!!... Agora já posso ir?” – impaciente e um pouco envergonhada respondes-me”

“ – Vai linda – grito para o autocarro apinhado (enquanto baixinho os meus olhos pedem “Volta depressa minha menina!”).






publicado por eu34 às 17:20
link do post | obrigada pela visita | favorito
|
10 comentários:
De Anónimo a 5 de Agosto de 2005 às 11:29
I'm back! :-)Carlos Tavares
(http://o-microbio.blogspot.com)
(mailto:carlos.roquegest@mail.telepac.pt)
De Anónimo a 4 de Agosto de 2005 às 12:42
Continua a chamar assim com o coração...e ela virá...depressa. BeijinhoPatrícia
(http://www.osoldatuaalma.blogs.sapo.pt)
(mailto:crazyflower1703@hotmail.com)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2005 às 16:57
É assim a vida.
Os nossos filhos são, também, filhos do Mundo e a saudade que sentimos hoje já os nossos pais a sentiram.
Impressionante a saudade antecipada que se sente só de pensar que um dia “um dos nossos” vai partir.


Jose S.
(http://ruadobeco.blogs.sapo.pt)
(mailto:jgjs2@sapo.pt)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2005 às 00:05
Ao lado da Rua do Beco fica o beco com Saída onde costumo testar as minhas capacidades em resolver o que o Sapo não resolve.
Vejam o que me aconteceu e se o erro for meu, aqui deixo as minhas desculpas.
JG
(http://becocs.blogs.sapo.pr)
(mailto:jgjs2@sapo.pt)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2005 às 00:05
Ao lado da Rua do Beco fica o beco com Saída onde costumo testar as minhas capacidades em resolver o que o Sapo não resolve.
Vejam o que me aconteceu e se o erro for meu, aqui deixo as minhas desculpas.
JG
(http://becocs.blogs.sapo.pt)
(mailto:jgjs2@sapo.pt)
De Anónimo a 3 de Agosto de 2005 às 00:05
Ao lado da Rua do Beco fica o beco com Saída onde costumo testar as minhas capacidades em resolver o que o Sapo não resolve.
Vejam o que me aconteceu e se o erro for meu, aqui deixo as minhas desculpas.
JG
(http://becocs.blogs.sapo.pt)
(mailto:jgjs2@sapo.pt)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2005 às 23:22
Amor de Mãe...existirá Amor tão grande, tão belo, tão intenso e verdadeiro como esse? Lindo o momento que sentes, que fazes sentir...
Um beijo para uma orgulhosa Mãe, de alguém que tem uma Mãe maravilhosa.
Adorei ter vindo aqui. Obrigado pela tua visita.
Só mais uma coisa: “Para além de beijo para ti, outro muito grande para quem Amas e para quem escreveste este lindo texto”
Orfeu
(http://www.ruas-sem-nome.blogspot.com)
(mailto:mabaorfeu@portugalmail.pt)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2005 às 13:02
Só quem é mãe conhece esses sentimentos,que desde o gatinhar,(primeiro gesto independente), obrigaçao de o deixar ir, medo de o poder ver magoar-se e orgulho de o ver conseguir. Bonito o que escreveste. Beijo.armanda
(http://dontbreakmiheart.blogspot.com/)
(mailto:jabsa@hotmail.com)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2005 às 12:08
Querida Eu33
Um bom exemplo do que sabemos ser um amor eterno. Que o possamos partilhar com outros amores é um desejo profundo, em que vale sempre a pena acreditar.
Um beijo
DanielDaniel Aladiah
(http://aladiah.blogspot.com)
(mailto:aladiah2005@hotmail.com)
De Anónimo a 2 de Agosto de 2005 às 02:28
Amar dessa maneira, também é deixar partir...e estar sempre pronto para o regresso. Deixaste-me arrepiada...é esse amar que faz viver e sorrir.
Beijo enorme* *Vampiria
(http://www.childrenofglamour.blogs.sapo.pt)
(mailto:pp@hotmail.com)

Comentar post

.estou por aí... entre a realidade e os sonhos....

.pesquisar

 

.Dezembro 2005

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. Até lá...

. Análise

. Pergunto...

. Alice perdeu o amor.

. Quarto sem luz ...

. Inocência perdida.

. Espaço vazio.

. Resistir (sem data de reg...

. Li algures...

. A olhar a minha rua.

.arquivos

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

.subscrever feeds